DEZEMBRO, FÉRIAS!!!

Padrão

Já faz algum tempo que não atualizo o blog. Depois de um ano em luta para finalizar a minha pesquisa, entregar o TCC, finalizar a HQ, manter os empregos em dia, além de lutar para provar a importância da pesquisa acadêmica no campo das histórias em quadrinhos, finalmente se aproximam as desejadas férias!
Sempre nessa época costumamos pesar todos os acontecimentos do ano, avaliar nossas falhas e também nossas conquistas, esse ano foi muito especial para mim, terminei minha graduação, finalizei (ou quase) minha pesquisa, realizei minha primeira exposição solo, conclui minha primeira HQ de fôlego, fiz minha primeira viajem internacional e marquei a data do meu casamento!
Nesse clima de fim de ano venho fazer o primeiro post de dezembro para relembrar e comemorar as grandes vitórias, e levar para o próximo ano as lições aprendidas com os erros do processo.

Aguardem mais novidades e bom fim de ano a todos!

 

 

Fotos: Juliana Ferreira de Moraes

20140518_153642

INCONCEBÍVEL –  PROCESSO

IMG_0721

Exposição dos originais e todo o processo de INCONCEBÍVEL para a apresentação do meu trabalho de conclusão de curso intitulado: HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO POSSIBILIDADE DE INVESTIGAÇÃO POÉTICA, realizada em novembro de 2014.

 

IMG_1209

IMG_1210IMG_1212

 

IMG_1214

IMG_1216IMG_1221

 

IMG_1223

Queridos orientadores!

BATMAN, BORGES, CORTAZAR E O SURREALISMO EM BUENOS AIRES

Padrão

Em outubro de 2014 realizei minha primeira viagem internacional para representar a minha querida UEL (Universidade Estadual de Londrina) no III Congresso Viñetas Serias com a minha pesquisa: “Surrealismo e graphic novel: estudo sobre Batman: uma séria casa num sério mundo”. De quebra, além de passear pela maravilhosa cidade de Buenos Aires tive o prazer de encontrar na Biblioteca Nacional dois incríveis mestres!

IMG_1139

Tá ai a minha módica contribuição para o campo acadêmico.

RESUMO:
A escolha da obra Asilo Arkham: Uma séria casa num sério mundo, como objeto de pesquisa, deu-se, a princípio, devido à singular versão da aventura de Batman associada a uma construção visual contaminada pelas mais diversas linguagens artísticas, como o cinema e a fotografia, fato que encontra respaldo no âmbito das propostas investigativas engendradas pelas vanguardas artísticas do século XX. Dessa constatação, surgiu a principal questão da pesquisa: Os quadrinhos podem ser considerados uma plataforma para as investigações plásticas e conceituais iniciadas pelos dadaístas e surrealistas? Tanto o trabalho gráfico realizado pelo artista inglês, Dave McKean, quanto a escrita concebida pelo escritor escocês, Grant Morrison, estabelecem relações com os principais elementos que constituem as poéticas Dadaísta e Surrealista, tais como a combinação do representativo, do abstrato, do irreal e do inconsciente. Entre as técnicas artísticas similares dos dois movimentos, estão a colagem e a escrita automática. A obra em questão, Asilo Arkham, procura se libertar das exigências cotidianas da lógica e da realidade, assim, para além da razão e da consciência, busca a expressividade do inconsciente e do onírico, trazendo elementos das artes plásticas e das pesquisas formais e conceituais engendradas, a princípio, pelos Surrealistas.

 

IMG_1146

 

IMG_0943

RODIN!!

IMG_0945

IMG_0960

 

 

IMG_0974
Será que é do Banksy??

 

IMG_1046

 

IMG_1108

 

IMG_1114

1° EXPO: BORGES – ENTRE EU E O OUTRO

Padrão

Em julho de 2014 realizei a minha primeira exposição solo, com curadoria de Leto William.

ENTRE EU E O OUTRO

Entre eu e o outro

“A experiência de desenho se constitui enquanto exteriorização do indivíduo, externando-se através do material que risca a superfície e pelo olhar que penetra o objeto de desejo. Ao se debruçar sobre este desejo o artista se apropria e torna-se o objeto momentaneamente e/ou definitivamente. Desenhar é um ato de apropriação, de suprir a vontade de ter. Os trabalhos apresentados nesta exposição foram criados como forma de apropriação da figura de um ícone (no caso, o escritor argentino Jorge Luís Borges) desejo de se apossar da figura alheia achando-se e perdendo-se nela. Tateando o mundo pela visualidade, buscando na materialidade de cada trabalho uma resposta que ajude a entender o que existe entre eu e o outro”.

eu e o outro

foto: Leto William

Borges expo 2014a

foto: Leto William

DSCF7041

foto: Dani Rosa

DSCF7053

foto: Dani Rosa

DSCF7048 foto: Dani Rosa

DSCF7054 foto: Dani Rosa

DSCF7056 foto: Dani Rosa